Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
1/10/12 às 20h19 - Atualizado em 29/10/18 às 11h42

Sessão solene defende direitos das pessoas com Síndrome de Down

COMPARTILHAR

(23/04/2012 – 15:52)

Na noite desta quinta-feira (19) o plenário da Câmara Legislativa foi palco de uma grande festa. Na ocasião, mães, pais, educadores, amigos e portadores da síndrome de Down celebraram o Dia Internacional da Síndrome de Down, comemorado no dia 21 de março.

A iniciativa do evento foi da deputada Arlete Sampaio (PT) e do deputado Siqueira Campos (PSC). Arlete, que presidiu a sessão solene, criticou o fato de escolas do DF estarem cobrando taxas extras para matricular estudantes com Síndrome de Down e destacou a importância da inclusão social de portadores de deficiências nas escolas públicas e privadas.

“A inclusão social das pessoas com deficiências significa torná-las participantes da vida social, econômica e política, assegurando o respeito aos seus direitos no âmbito da Sociedade, do Estado e do Poder Público”, disse. “Quando estive no lançamento do Programa Viver sem Limites, do Governo Federal, tive a oportunidade de conhecer uma jornalista, redatora de TV, que é portadora da Síndrome de Down. Ela é uma prova viva de como a inclusão pode mudar a vida das pessoas que tem algum tipo de deficiência”, ressaltou.

O deputado Siqueira Campos defendeu que “através do conhecimento e da interação” podem ser feitas muitas sugestões que tragam benefícios para os portadores da Síndrome de Down.

A presidente da Federação Brasileira das Associações de Down, Lourdes Lima, mãe da pequena Lia, falou sobre o que enfrentou antes de apresentar a denúncia daquela cobrança de taxa extra: “Senti na pele a arrogância dos donos das escolas. Em uma delas, queriam me cobrar quatro vezes o valor da mensalidade”.

A médica pediatra da Secretaria de Saúde do DF, especialista em Síndrome de Down, Moema Arcoverde, agradeceu o apoio das mais de 500 famílias que frenquentam o Ambulatório Down, no Centro de Saúde 11, na 905 Norte.

A subsecretária da Escola de Aperfeiçoamento dos Profissionais da Educação, Olga Freitas, disse que a Secretaria de Educação tem trabalhado para “desmistificar” a educação especial e investido na formação dos profissionais.

Já o Secretário de Desenvolvimento Social do DF, Daniel Seidel, disse que “viver sem pobreza no Brasil significa também viver sem preconceito”. Para ele, promover o fortalecimento de vínculos e convivência é um dos objetivos da SEDEST. “Por meio da busca ativa feita pelas equipes dos Centros de Referência de Assistência Social (Cras), pretendemos localizar e inserir pessoas com deficiência no Benefício de Prestação Continuada (BPC). Além disso, através do plano Viver sem Limites serão criados no país 27 centros de Referência da Pessoa com Deficiência, que oferecerão cuidados e promoção de autonomia às pessoas com deficiências graves e pobres e às suas famílias” informou.

Ao final do evento, portadores da Síndrome de Down emocionaram a platéia com as apresentações de dança espanhola.

 

 

 

Fonte: http://www.arletesampaio.com.br/2012/sessao-solene-defende-direitos-das-pessoas-com-sindrome-de-down/