Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
23/11/18 às 15h52 - Atualizado em 23/11/18 às 16h59

“Mãos dadas garantem o futuro melhor”: a solução começa pelas parcerias

COMPARTILHAR

 

A secretária Ilda Peliz, da Sedestmidh, participou na quarta-feira, 14/11, no Salão Negro do Ministério da Justiça (MJ), da exposição Justiça começa na infância: da Constituição de 88 ao Marco Legal da Primeira Infância. A série de painéis com fotografias e informações trata da garantia de direitos de crianças de 0 a 6 anos e tem sido tema de discussões durante visitas de turmas escolares. Ambos moradores de São Sebastião, Kennerd Charlles Morais, 10 anos, e Renata Kemilly Alves da Silva, 10, estavam entre as crianças atendidas pelo Projeto Vida Padre Gailhac que visitaram a exposição.    No MJ, além de observar a mostra, a turma participou de uma roda de conversa, lanchou, desenhou e até conheceu o próprio ministro da Justiça, Torquato Jardim. Segundo a secretária, projetos como esse são fundamentais para o futuro:

“O serviço de fortalecimento de vínculos está na nossa atuação, é aplicado nos centros de convivência públicos. É no contato com educadores que crianças, especialmente na primeira infância, conseguem se abrir. O trabalho é com a família, então, por meio disso, é possível identificar situações-problema, como violência, seja física, seja emocional”, afirma. “E, quando você encontra uma instituição como essa (o Colégio Sagrado Coração de Maria), que quer oferecer o serviço, é uma grande oportunidade. Isso ajuda o governo, que pode canalizar energias e recursos para outras atividades. É um trabalho de mãos dadas”, elogia.

 

 

14/11/2018. Crédito: Wallace Martins/Esp.CB/D.A. Press. Brasil. Brasília – DF. Trabalho e Formação. Crianças e adolescentes visitam exposição no Ministério da Justiça sobre o início da vida, a primeira infância. Na foto, a secretária da Secretaria Adjunta de Desenvolvimento Social (SEDEST), Ilda Ribeiro.

A solução passa pelas PPPs

Ilda Peliz, hoje secretária da Sedestmidh, já foi presidente da Abrace (Associação Brasileira de Assistência às Famílias de Crianças Portadoras de Câncer e Hemopatias), vê nas parcerias público-privadas a solução para diversos problemas.

“Infelizmente há poucos trabalhos conjuntos assim”, lamenta. Ilda avalia que, apesar de já existirem boas ações implementadas, todas as instâncias e esferas do governo precisam ser lembradas e conscientizadas da importância da primeira infância. “Se você foca essa criança desde a gravidez, conscientiza os pais de que é importante conversar e estimular, a diferença é enorme. A mente da criança é muito maleável nessa fase. Depois, pouco se pode fazer”, adverte. “As políticas públicas existem, mas, às vezes, o estado sozinho não consegue aplicar. Então, vamos todos, sociedade, empresas, organizações, dar as mãos. E, em muitos casos, não é preciso de muito, só aproveitar uma estrutura que já existe”, aponta.

 

Fonte:Ascom Sedestmidh (Matéria veiculada no Correio Braziliense)