Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
25/09/12 às 21h03 - Atualizado em 29/10/18 às 11h42

Projeto de Arte-Educação fortalece a autoestima de mulheres catadoras de materiais recicláveis e em situação de rua

COMPARTILHAR

“Revelar a beleza das mulheres que lutam diariamente debaixo do Sol”: esse é o desejo da Educadora Social Karla Cíntia, artista plástica e idealizadora do projeto “Miss na Rua”, desenvolvido pelo Núcleo Especializado de Abordagem Social (NUASO), da Secretaria de Desenvolvimento Social e Transferência de Renda.

O Projeto de Arte-Educação teve início em junho de 2012, por meio da abordagem a mulheres em situação de rua nas Regiões Administrativas de Ceilândia e de Taguatinga. A equipe de educadores sociais de rua entregava às mulheres um kit de higiene pessoal e iniciava uma conversa sobre beleza para fortalecer a autoestima, o autocuidado e a identidade. “O objetivo central é fazer com que essas mulheres, em extrema condição de vulnerabilidade, se percebam como sujeitos de desejo. A rua fragiliza a identidade, impede o autocuidado e destrói a autoestima. Sem isso, não é possível construir alternativas para a saída das ruas”, explica Karla Cíntia, que foi Miss Brasília em 1997.

Foi de sua experiência como Miss que Karla tirou a ideia do projeto que, por meio de atividades que envolvam e preparem as mulheres em situação de rua para um concurso de Miss, possibilitasse um mundo de desejos e vontade de transformação de vida para essas mulheres. “Nossa ideia não é fazer um concurso de beleza, e sim trazer a fantasia, o deslumbre, o sonho que um Concurso de Miss representa. Além disso, queremos visibilizar a beleza dessas mulheres, uma beleza que atravessa e supera todo sofrimento”, disse.

Nesta quinta-feira (12), foi realizada oficina de maquiagem com seis mulheres participantes do projeto, todas catadoras de materiais recicláveis. A oficina aconteceu em parceria com a L’Oréal e contou com a presença da Consultora de Beleza Glorizeth Márcia da Silva. “Deixar as pessoas bonitas e ver o que isso provoca na vida delas é gratificante”, afirmou a Glorizeth. Além do momento de  autocuidado e maquiagem foi realizada roda de conversa sobre o enfrentamento e a superação da violência contra as mulheres. “Ser Miss é ser mulher, ter autoestima e ser independente”, afirmou Laurineide, catadora de materiais recicláveis, de 27 anos.

Como Karla Cíntia também é artista plástica, todas as mulheres envolvidas no projeto estão sendo retratadas em telas, buscando recuperar a identidade e a trajetória de vida. A primeira Miss retratada, durante o processo de acompanhamento do projeto, começou a rever sua relação com a rua e está em tratamento para a superação do vício em crack.

O “Miss na rua” já atende 15 mulheres, todas elas serão inseridas em grupo de atendimento psicossocial no CREAS Ceilândia. Além disso, será realizado desfile no mês de dezembro com vestidos construídos por elas em oficinas. A ideia é que cada roupa conte um pouco de suas trajetórias e projetos de vida. Todas as ações do projeto “Miss na rua”, como a exposição dos quadros e o desfile, também buscam sensibilizar a comunidade geral sobre o preconceito com as pessoas em situação de rua e a violência contra as mulheres. “O impacto do fortalecimento da autoestima é incrível. As mulheres acompanhadas começam a manifestar o desejo de voltar a estudar, de iniciar o tratamento para a dependência das drogas e sair das ruas”, finaliza Karla.

Contato:

O Núcleo Especializado de Abordagem Social (NUASO) fica localizado na QNM 16 A.E. Módulo A – Ceilândia Norte.

Telefones de contato: (61) 33734539 / 92848572

E-mail: nuasocei@sedest.df.gov.br