Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
14/12/20 às 14h46 - Atualizado em 17/12/20 às 11h40

GDF vai aprimorar atendimento às crianças de zero a seis anos

COMPARTILHAR

Núcleos Intersetoriais vão reunir diferentes áreas do governo para criar estratégias específicas para a Primeira Infância

 

Foram instituídos nesta semana os Núcleos Intersetoriais de Primeira Infância (Nipis) nas regiões administrativas do Distrito Federal de atuação do Programa Criança Feliz Brasiliense. Pela Portaria nº 29 de 08 de dezembro de 2020, publicada nesta quarta-feira (9) no Diário Oficial do Distrito Federal, os núcleos darão suporte às demandas identificadas nas visitas domiciliares das famílias atendidas em Ceilândia, Taguatinga, Riacho fundo I, Riacho Fundo II, Recanto das Emas, Samambaia, Estrutural e Santa Maria. E ainda serão responsáveis pela operação e qualificação das ações de atenção às famílias visitadas pelo programa.

 

O objetivo é a intersetorialidade do cuidado com a criança e gestante nas diferentes políticas públicas no território. “Esse núcleo vai concentrar áreas do governo em um lugar só, para que as políticas conversem entre si em prol da criança desde a primeira infância, ou seja, do zero aos seis anos de idade. Os visitadores vão trazer para cada núcleo as necessidades do seu território para que eles tracem uma estratégia específica para aquela comunidade”, destaca a secretária de Desenvolvimento Social, Mayara Noronha Rocha.

 

Os núcleos serão compostos por representantes dos seguintes serviços: Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) da região; Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS) da região; Supervisor do Programa Criança Feliz Brasiliense da região; Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) da região; Núcleo Ampliado à Saúde da Família (NASF) da região; Coordenação Regional de Ensino da região; e Conselho Tutelar da região.

 

“Não teremos só a visão da gestão. Agora, vamos ter braços na ponta. Esses núcleos serão ponto de gestão no território, teremos representação de cada um dos serviços, como uma gestão local”, reforça a secretária.

 

A equipe do Nipis será responsável em elaborar um Plano de Ação Intersetorial na sua região; auxiliar na definição de estratégias e compromissos que fortaleçam a intersetorialidade do programa, a implementação das ações de responsabilidade da região e o suporte das diferentes políticas para o atendimento das demandas identificadas; colaborar no exercício da parentalidade, fortalecendo os vínculos e o papel das famílias para o desempenho da função de cuidado, proteção e educação de crianças na faixa etária de até seis anos de idade; atuar em parceria com as redes sociais locais de cada região, a fim de conhecer as demandas da população local e fornecer apoio nas questões relacionadas à primeira infância; além de desenvolver estratégias de identificação, busca ativa e fortalecimento da adesão das famílias em situação de vulnerabilidade no território.

 

“Esses núcleos vão trazer a primeira infância como prioridade para todos os setores. É como se fosse uma linha de cuidado para a criança. Por exemplo, se eu tenho uma criança que está sofrendo violência, quais são os fluxos que eu vou desenvolver para garantir a proteção desse menor? É para esse tipo de coisa que o Núcleo Intersetorial vai estar alerta. Antes, era mais complexo, os visitadores traziam as demandas, mas era complicado acompanhar como estava o andamento dessa demanda em cada área do governo”, explica a secretaria-executiva do Comitê Gestor do Criança Feliz Brasiliense, Fernanda Monteiro.

 

Funcionamento

 

A implementação dos núcleos se dará pela capacitação de gerentes, profissionais e equipes dos diferentes setores envolvidos para o assunto de primeira infância, além do aprimoramento organizacional com definição de periodicidade de encontro e fluxo de informações.

 

A primeira reunião dos núcleos está prevista para a primeira semana de fevereiro de 2021. “Será realizada uma oficina com os profissionais para estabelecer como será o trabalho no território, o local das reuniões, as datas. A ideia é que as reuniões sejam mensais. Assim que for concluído o processo seletivo da nova fase do Criança Feliz, a expectativa é criar novos núcleos intersetoriais em mais oito regiões administrativas”, complementa Fernanda Monteiro.

 

Lançado pelo GDF em 2019, o programa Criança Feliz Brasiliense vem acompanhando 1,6 mil crianças e mães neste ano. A expectativa é chegar a 3,2 mil beneficiários em 2021 com o novo contrato que está sendo firmado na Secretaria de Desenvolvimento Social (Sedes).

 

Cynthia Ribeiro