Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
27/01/20 às 14h54 - Atualizado em 12/02/20 às 8h53

Criança Feliz foca na qualidade das visitas domiciliares

COMPARTILHAR

A previsão do Ministério da Cidadania para este ano é de que o programa acompanhe 2 milhões de crianças e gestantes em todo o país

 

A rotina dos visitadores é a de orientação familiar. Mauro Vieira/MC

Investir na qualificação dos profissionais que atuam no Criança Feliz é um dos objetivos do Ministério da Cidadania para este ano. Se até aqui o programa cresceu e aumentou seu alcance, em 2020 será o momento para que os atendimentos sejam aprimorados a partir do trabalho feito pelos chamados visitadores. Eles são os responsáveis pelo o acompanhamento semanal de crianças e gestantes inseridas no Cadastro Único para programas sociais do governo federal. A rotina dos atuais 23 mil visitadores é a de orientação familiar para o bom desenvolvimento das crianças de 0 a 3 anos.

 

“O mais importante é que a qualidade do serviço prestado seja boa porque a criança só se desenvolve se o atendimento for de alta qualidade. Para isso, nós vamos investir muito na qualificação dos profissionais que estão atuando lá na ponta”, garantiu a secretária Nacional de Promoção do Desenvolvimento Humano do Ministério da Cidadania, Ely Harasawa.

 

Para a secretária, o engajamento dos municípios demonstra o compromisso dos gestores com o tema da Primeira Infância. “Com as novas adesões, nós conseguimos chegar a 69% dos municípios elegíveis, dos 4195 elegíveis, e 52% do total de municípios. Isso significa que primeira infância está sendo levada a sério. Mais municípios estão engajados, preocupados com a primeira infância”, comemorou.

 

Resultados

O Criança Feliz atingiu a marca de 26,2 milhões visitas domiciliares realizadas em mais de 2,5 mil municípios participantes de todo o país. Um deles é Campo Grande, no Mato Grosso do Sul. Moradora da cidade, Gabriela Leite é mãe do Matheus, de dois anos. O caçula da família foi acompanhado pelo programa ao longo de 2019. Ao falar sobre o assunto, ela atribui o bom desenvolvimento do filho às visitas domiciliares. “Eu acho que o Criança Feliz contribui, sim, para o desenvolvimento dele. A visitadora vem uma vez por semana, passa atividades e eu repito com ele ao longo de outros dias”, contou.

 

Com os estímulos aprendidos por meio do Criança Feliz, as interações com o pequeno ganharam mais espaço no dia a dia e a mãe passou a receber elogios das professoras do filho. “O Matheus está se destacando lá. Elas dizem que ele é muito carinhoso, já chega abraçando, é esperto, interage bastante com os colegas de sala, não se envolve em nenhum conflito. Acho que tem a ver com o ambiente em casa e esses incentivos que a gente aprende a dar com o programa”, afirmou, Gabriela.

 

As atividades preferidas da família são a leitura e as brincadeiras. Ela espera que os filhos possam ir mais longe, com perspectivas de um futuro melhor. “Quero que eles sejam muito iluminados, que cada um abrace o mundo da maneira que sonhar. Eu vou sempre incentivar. O programa me ajudou a ver a importância desse incentivo.”

 

Melhorias e resultados positivos

O Ministério da Cidadania realizou uma série de ações ao longo de 2019. Em julho, por meio de uma portaria, foi autorizado aos municípios incluírem crianças do Cadastro Único como prioridade no atendimento. Com isso, 420 mil crianças em vulnerabilidade social passaram a ser incluídas no público-alvo. Também foi aberto novo prazo para adesão de municípios ao programa.

O desenvolvimento infantil ganhou reforço após uma decisão da Justiça destinar R$ 250 milhões ao Criança Feliz. O recurso é fruto de um pacto sobre a destinação de R$ 2,6 bilhões recuperados da Petrobras a partir da Operação Lava-Jato. O acordo foi firmado entre a Procuradora-Geral da República (PGR), os presidentes da Câmara dos Deputados e do Senado, e a União.

 

O governo federal ainda reuniu especialistas internacionais e brasileiros para discutir e avaliar as políticas públicas voltadas para o desenvolvimento infantil em eventos como o Seminário Internacional da Primeira Infância – O Melhor Investimento para Desenvolver uma Nação. O resultado foi o reconhecimento do Criança Feliz no Global Education and Skills Forum, que ocorreu em Dubai, nos Emirados Árabes, e reuniu mais de 140 países para debater e moldar novas formas de educação para transformar o mundo.

 

Em novembro, o governo brasileiro foi coroado com o maior prêmio do mundo na área de inovação para a educação. Em Doha, no Catar, o ministro da Cidadania, Osmar Terra, recebeu o Prêmio Wise Awards pelo programa. O Criança Feliz venceu 481 projetos inscritos, ficando entre as seis iniciativas mais inovadoras do mundo no enfrentamento aos desafios globais de educação. A premiação é considerada uma das mais concorridas e prestigiadas do mundo. O Brasil concorreu com projetos de países como Inglaterra, França, Estados Unidos e China.

 

Para 2020, a previsão do Ministério da Cidadania é de que o programa de atenção à primeira infância acompanhe 2 milhões de crianças e gestantes em todo o país.

 

Saiba mais

Coordenado pelo Ministério da Cidadania, por meio da Secretaria Especial do Desenvolvimento Social, o Criança Feliz promove o desenvolvimento adequado na primeira infância, integrando ações nas áreas de saúde, assistência social, educação, justiça, cultura e direitos humanos. Hoje, 23 mil profissionais capacitados orientam sobre o desenvolvimento das crianças de até 3 anos inseridas no Cadastro Único para programas sociais do governo federal e de até seis anos que recebem o Benefício de Prestação Continuada (BPC).

 

Com informações do Ministério da Cidadania