Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
1/10/12 às 20h22 - Atualizado em 29/10/18 às 11h42

Comitiva estrangeira conhece equipamentos da SEDEST

COMPARTILHAR

(11/05/2012 – 14:50)

 

Na manhã desta terça-feira (8), comitiva formada por representantes de Angola, Azerbaijão, Colômbia, Guiné Conakry, Indonésia, Jamaica, Níger, Nigéria, Peru e Sri Lanka, visitou equipamentos da Secretaria de Desenvolvimento Social e Transferência de Renda (SEDEST). O grupo, que esteve em Brasília para participar do Seminário Internacional “Políticas Sociais para o Desenvolvimento”, conheceu as unidades de atendimento CRAS e CREAS de Ceilândia Norte e o Restaurante Comunitário de Riacho Fundo II.

O primeiro equipamento visitado foi o Centro de Referência de Assistência Social (CRAS). No local, que atende, em média, 150 pessoas por dia, os visitantes conheceram a estrutura física, que inclui as salas de atendimentos às famílias e tiveram acesso a informações sobre diversos programas que beneficiam os usuários, contínua ou eventualmente, como, por exemplo, o Auxílio Natalidade.

Em palestra aos visitantes, a coordenadora do CRAS, Leide Fernandes, e a psicóloga Flaviana Araújo abordaram os avanços da assistência social no Brasil, as ações desenvolvidas, além do perfil dos usuários dos programas. Para Leide, a rede socioassistencial é fundamental para chegar aos usuários. “Realizamos um trabalho de parceria com as escolas, postos de saúde e líderes comunitários. Esse trabalho conjunto nos possibilita atender às demandas e garantir os direitos da população, sejam sociais, da educação ou questões de atendimento médico”, explicou.

Pessoas acompanhadas pelo CRAS, exemplos do resultado das ações desenvolvidas, contaram um pouco de suas histórias de vida. “Graças ao CRAS encontrei meu filho que estava morando na rua, usando drogas. Agora ele tem um emprego, e eu estou aguardando para ser chamada para o curso do Pronatec”, contou dona Conceição Alves, 57 anos, moradora da Expansão do Setor “O”, um dos bairros de Ceilândia atendidos pela equipe do CRAS.

No fim da palestra, os convidados assistiram apresentação de dança realizada pelo grupo In Steps Crew. O grupo, formado em 2010, é resultado das oficinas ministradas pelo Bboy Papel no COSE (Centro de Educação Sócio Educativa) e também no CRAS de Ceilândia Norte.

No Centro de Referência Especializado de Assistência Social (CREAS), a delegação estrangeira foi recebida pela coordenadora Graciele Reis e pela assessora da Diretoria de Serviços Especializados às Famílias e Indivíduos (DISEFI), Ana Fialho, e obteve informações sobre ações para enfrentar a violação de direitos e sobre grupos desenvolvidos para dar suporte a pessoas que sofreram abusos.  

Ainda no CREAS, a comitiva conheceu um pouco sobre o trabalho desenvolvido pelo NUASO – Núcleo Especializado de Abordagem Social, que atende a população em situação de rua no DF e tem o objetivo de reintegrar essas pessoas na sociedade. Plínio Labrichosa, chefe do núcleo em Ceilândia, explicou que o objetivo é proporcionar dignidade aos desabrigados. “São comuns os casos de pessoas que estabelecem vínculos comunitários e fraternos na rua. Por esse motivo, preferem permanecer onde estão. Nosso trabalho é garantir uma vida digna a essa população, garantindo acesso aos direitos estabelecidos para qualquer pessoa”, esclareceu.

A última parada da comitiva foi o Restaurante Comunitário de Riacho Fundo II. A nutricionista Aline Pozzi ciceroneou o grupo e deu informações sobre Segurança Alimentar e Nutricional (SAN), o processo de produção, custos e distribuição dos alimentos.

Felipe Valencia, assessor do Ministério de Desenvolvimento e Inclusão Social do Peru, se surpreendeu com o equipamento. “No Peru temos comida a baixo custo, mas os locais não têm tamanha estrutura. Não fazia ideia ser possível construir restaurante popular como este. Estou encantado”, elogiou.

Seminário Internacional “Políticas Sociais para o Desenvolvimento”

Periodicamente, o Ministério de Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) realiza seminários para delegações estrangeiras formadas por países que manifestam interesse em conhecer políticas brasileiras de proteção social e erradicação da pobreza. A iniciativa tem o apoio da Escola Nacional de Administração Pública (ENAP) e o público-alvo são servidores públicos estrangeiros envolvidos no processo de formulação de políticas e na tomada de decisões.

 ­­­