Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
11/05/21 às 15h48 - Atualizado em 11/05/21 às 15h49

Bolsa Maternidade completa um ano com 1.916 mães beneficiadas

COMPARTILHAR

Regulamentado há um ano, no Dia das Mães, programa foi incluído no Auxílio-Natalidade para atender mães em situação de vulnerabilidade social

 

 

“Eu gostei muito da Bolsa Maternidade. As peças são todas bonitinhas, bem cuidadas, vou poder aproveitar bastante. Tem muita mãe que precisa. É muito bom poder sair do hospital já com as roupinhas do bebê”. Esse é o relato da Amanda Cabral Sá da Silva, mãe do pequeno Pedro Miguel, de apenas um mês. Moradora do Itapoã, ela recebeu o enxoval na semana passada no banco de leite do Hospital Regional do Paranoá.

 

Chefe de família, além de Pedro Miguel, Amanda é mãe do Guilherme, de 5 anos. “Eu moro sozinha com meus dois filhos pequenos e estou sem trabalhar. Quando estava grávida de oito meses, decidi procurar o Centro de Referência em Assistência Social (Cras) para tentar receber os benefícios sociais neste momento que estou sem renda”, conta.

 

Amanda é uma das 1.916 mães que já receberam o enxoval do programa Bolsa Maternidade. Lançado há um ano, no Dia das Mães, o Bolsa Maternidade foi incluído no benefício eventual Auxílio Natalidade como bem de consumo para atender às mães em situação de vulnerabilidade social. O benefício é concedido pela Secretaria de Desenvolvimento Social (Sedes), após cadastro prévio e análise das unidades socioassistenciais.

 

O Bolsa Maternidade é um enxoval com 21 itens, entre roupinhas, fraldas, mantas e pomada, para dar suporte ao recém-nascido nos primeiros dias de vida. Neste ano, 659 bolsas já foram entregues às mães em vulnerabilidade social, e 431 kits estão já autorizados, aguardando o nascimento das crianças.

 

“Quando nós regulamentamos o benefício da Bolsa Maternidade, a ideia era justamente dar esse apoio às mães neste momento tão único, e, ao mesmo tempo, tão delicado para muitas famílias, ainda mais para aquelas que já estão em situação de vulnerabilidade social. Com a pandemia da covid-19, a crise deixou muitas mães e pais de família desempregados, sem recursos para sustentar o bebê e comprar o enxoval neste começo. Tem neném que nasce sem uma roupinha para usar, dependendo de doações. Foi pensando nessas famílias que efetivamos o auxílio da Bolsa Maternidade”, destaca a secretária de Desenvolvimento Social, Mayara Noronha Rocha.

 

Apoio

 

Quem também teve a oportunidade de receber esse benefício foi a pequena Maria Geovanna Moura, hoje com nove meses. Seus pais, o repositor de supermercado Hudson Willian de Moura, de 27 anos, e a esposa Thais Almeida dos Santos, de 24 anos, são moradores de Samambaia Sul, e receberam o Bolsa Maternidade em dezembro de 2020, no banco de leite do Hospital Regional da Samambaia, depois de fazer a solicitação no Cras.

 

“Eu estava desempregado na época que minha filha nasceu. Então, o enxoval ajudou muito a neném. Até hoje, ela usa a ‘mantinha’ que nós ganhamos no kit”, conta o pai da Maria Geovanna. Thais dos Santos foi uma das 1.276 mães beneficiadas pelo programa de maio a dezembro do ano passado. “Não tinha como comprar as coisas da bebê e minha esposa não pode trabalhar por ter limitações de saúde. Estávamos passando por um momento difícil, com dificuldade até de pagar aluguel. O Bolsa Maternidade e o dinheiro do Auxílio Natalidade foram muito importantes”, explica Hudson.

 

Uma das mães que recebeu recentemente o Bolsa Maternidade foi Elaynne Carvalho dos Santos, moradora de São Sebastião. Ela retirou o kit para a pequena Sofia, de um mês, também no banco de leite do Hospital Regional do Paranoá.

 

“Fiquei sabendo do benefício por um grupo de gestantes que eu participava e entrei em contato com o Centro de Atendimento em Assistência Social (Cras) pelo telefone 156. Foi rápido”, pontua Elaynne. “Todas as peças da Bolsa Maternidade têm sido úteis para a minha filha, tive que comprar poucas coisas para ela nesse começo. Nos próximos dias vou receber também os R$ 200, do Auxílio Natalidade”.

 

Bolsa Maternidade

 

O Bolsa Maternidade pode ser solicitado diretamente nas unidades do Centro de Referência em Assistência Social (Cras) pelo link: http://www.bolsamaternidade.sedes.df.gov.br:8080/bolsamaternidade/index.html.

O pedido para a concessão do benefício deve ser feito a partir da confirmação da gravidez, até 30 dias após nascimento do bebê. O enxoval é retirado tão logo a mulher dê à luz nas maternidades públicas do DF.

 

Além do Bolsa Maternidade, o Auxílio Natalidade garante às mães em situação de vulnerabilidade social uma parcela única do benefício eventual de R$ 200, quando a criança nasce, para ajudar nos primeiros cuidados. Tanto esse valor, quanto o bolsa, são fornecidos por criança nascida e valem também para pais adotivos. O benefício só é pago para quem reside no DF há, pelo menos, seis meses.

 

O Bolsa Maternidade é voltado a famílias em situação de vulnerabilidade com renda per capita inferior a meio salário mínimo, inscritas no programa Criança Feliz Brasiliense. Também vale para famílias em situação de rua.

 

Uma parceria entre a Sedes e a Secretaria de Saúde (SES) determina que a retirada das Bolsas Maternidade seja feita nos bancos de Leite das maternidades públicas do DF. A iniciativa é uma forma de garantir que as mães, quando forem retirar o kit, também recebam orientações sobre a amamentação.

 

“Nossa ideia é facilitar a retirada e aproveitar o momento para compartilhar todas as informações referentes à amamentação”, explica a coordenadora das Políticas de Aleitamento Materno da Secretaria de Saúde, Miriam Santos.

 

Cynthia Ribeiro

  • Acesse o Portal do Governo do Distrito Federal
  • SEPN Quadra 515, Lote 2, Bloco B Ed. Espaço 515 - Asa Norte
    CEP: 70.770-502
    Transferência de Renda e Cadastro único: 37737251/37737242/37737249
    Subsecretaria de Assistência Social: 3773-7248
    Ouvidoria: 3773-7183