Governo do Distrito Federal
Governo do Distrito Federal
5/11/20 às 11h45 - Atualizado em 9/11/20 às 10h42

Alojamento provisório profissionaliza população em situação de rua

COMPARTILHAR

Unidade oferece oficinas de capacitação para acolhidos na unidade

 

João Roberto, 67 anos, quer o certificado de Eletricista e Reparos em Eletrodomésticos | Fotos: divulgação Sedes

Mais do que oferecer um abrigo temporário em meio a esse tempo de pandemia, o Alojamento Provisório do Abadião, em Ceilândia, atua na profissionalização dos acolhidos. A unidade, atualmente com 178 pessoas em situação de rua, iniciou o projeto Um Novo Caminho, pelo qual oferece vários cursos aos abrigados em parceria com o Instituto Sou Brasileiro (Soubras).

 

O objetivo é capacitar esses cidadãos para o mercado de trabalho. A previsão é que, no próximo mês, as oficinas cheguem também ao Alojamento Provisório do Autódromo Nelson Piquet, no Plano Piloto.

 

São até 200 vagas em turmas pela manhã e pela noite, dentro do próprio alojamento. Estão previstas 40 horas/aulas em um período de 20 dias nos cursos de Segurança Eletrônica Básica, barbeiro, informática básica, eletricista e reparos em eletrodomésticos.

 

Os inscritos ainda participam de sete palestras com temas como Relações Interpessoais no Trabalho, Saúde e Segurança no Trabalho, Emancipação e Autonomia, entre outras. “A ideia é buscar o desenvolvimento de novos paradigmas no mundo do trabalho e pessoal dos nossos acolhidos, promovendo a capacitação e formação deles enquanto estiverem na unidade”, destaca a secretária de Desenvolvimento Social, Mayara Noronha Rocha.

 

Os frequentadores das atividades vão receber certificados profissionalizantes. “É uma forma de fomentar a formalização de novos microempreendedores individuais ou cooperativas”, completa a gestora.

 

José Pereira é um dos interessados na formação de barbeiro

Um dos mais empolgados é José Pereira, de 31 anos. Interessado na formação de barbeiro, ele diz que já tem familiaridade com a profissão, pois prestou serviços relacionados. “É uma oportunidade de aprender coisas novas e empregar isso no meu futuro assim que eu sair daqui”, comemora.

 

Para João Roberto da Silva, 67, outro abrigado, o certificado de Eletricista e Reparos em Eletrodomésticos vai ser importante para o currículo. “Eu sempre fiz pequenos reparos em todo tipo de coisa, mas com um documento que comprove, fica muito mais fácil conseguir um emprego”, explica. Vale frisar que, desde a implantação, essas unidades ofereceram atividades de capacitação em áreas como gastronomia e artesanato.

 

Ádamo Araujo